Quarta-feira, 12 de Outubro de 2011
O Mel Com Cicuta acabou

A partir de hoje, podem encontar-me no A Alma Conservadora.



publicado por Laura Abreu Cravo às 12:26
link do post | comentar |

Quinta-feira, 1 de Julho de 2010
Dos princípios vergados ao ego.

Os perdedores nunca serão mais do que uma breve linha na história dos que ganharam. É por isso que os vemos correr de braços abertos para a podridão.



publicado por Laura Abreu Cravo às 15:48
link do post | comentar | ver comentários (10) |

Da falta de saídas profissionais

Os optimistas sempre podem converter-se ao cinismo quando o mundo lhes esfrega na cara as imperfeições dos homens. Mas o que resta aos de nós que nunca tiveram grande impressão do ser humano? A morbidez de poder declarar que se estava certo?



publicado por Laura Abreu Cravo às 15:45
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Quarta-feira, 23 de Junho de 2010
O rei da selva

 

Pior do que apoiar um louco e tentar legitimá-lo com o mero objectivo de atingir um propósito perverso, é apoiar um louco por se acreditar ainda que remotamente na bondade final da sua diatribe alienada.

Não sei se o leitor está a ver onde quero chegar, mas funciona um bocadinho como adoptar por bicho de sala um animal selvagem: há de haver um dia em que o bicho cheira, ao longe, o sangue dos bifes que estão a descongelar na bancada da cozinha e nos salta à goela.

Nessa altura, não peço mais do que uma cadeira e um bom copo de vinho tinto. Sou uma mulher simples, que, por vezes, tem o guilty pleasure de se deixar entreter pelo ridículo, mais do que pelo trágico.



publicado por Laura Abreu Cravo às 15:14
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Terça-feira, 22 de Junho de 2010
Vamos lá falar de coisas

Relações funcionárias, onde alguns assistem, com regalo, a uma aberração que dança desajeitadamente ao som do ridículo, fazendo ecoar, depois, gargalhadas alarves ante a exibição do grotesco que é a visão terrena e gradual da exibição das entranhas de um louco. Vamos, então, no meio do absurdo e da torrencialidade, falar da substância das coisas: não há princípios, não há discernimento, há a loucura de mãos dadas com o ressentimento e a ambição pacóvia, que arrastam tudo à frente. Não defendem nada, porque da pureza não podem falar os espúrios. Não defendem nada, porque pura e simplesmente não acreditam no que dizem e deixam dizer — nem podiam acreditar, porque o passado não se apaga, mesmo que se evite falar dele.



publicado por Laura Abreu Cravo às 11:56
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Segunda-feira, 21 de Junho de 2010
O primeiro dia do nosso Verão
Micah P. Hinson, em Vigo, no melhor dia 12 de Junho de sempre.


publicado por Laura Abreu Cravo às 12:31
link do post | comentar | ver comentários (2) |

A Corte

Que o mesmo sujeito queira ser o jogral, o bobo, o sábio, o eunuco e a amante do Rei, é coisa para confundir a população. A dada altura, andamos todos a rir do sábio, a ouvir a amante do rei, a temer os avanços físicos do eunuco, a buscar conselho no bobo e a fazer confidências ao jogral.

O que mata a criatura não é o ridículo de querer ser todas as coisas ao mesmo tempo, mas a percepção do povo de que tal cumulação é objectivamente impossível e que só pode estar a ser enganado.



publicado por Laura Abreu Cravo às 10:46
link do post | comentar |

Sexta-feira, 9 de Abril de 2010

Ao longo de toda aquela provação o seu horror mais profundo fora o isolamento, e não há palavras que exprimam o abismo entre estar-se isolado e poder-se contar com um aliado. Podemos conceder aos matemáticos que quatro são dois vezes dois. Mas dois não são duas vezes um: dois são duas mil vezes um. É por isso que, a despeito de centenas de inconvenientes, o mundo acabará sempre por voltar à monogamia.


O Homem que era quinta-feira, G.K. Chesterton.



publicado por Laura Abreu Cravo às 10:50
link do post | comentar | ver comentários (3) |

Quinta-feira, 8 de Abril de 2010
Por Deus, façam cerimónia.

Não sejam tudo, em directo, a todo o tempo, com todas a pessoas. Não presumam que estão autorizados a ser, sempre, absolutamente sinceros. A transparência, vício dos impolutos, está a dois ténues passos do asselvajamento e nem todos conseguem abster-se de transpor a perigosa linha. Os amigos dos nossos amigos não serão, por osmose, nossos amigos e as relações relativamente próximas não são necessariamente íntimas. Por isso, façam o favor de fingir, engolir em seco para não ofender, mentir, se preciso for, em vez de dar largas à vossa indefectível verdade.

 

Quando o utilizador não é suficientemente experimentado ou sequer polido para envolver a sinceridade num manto de delicadeza — e a menos que esteja a depor em tribunal ou ajoelhado em confissão — que se cale; e evite maçar aqueles que dedicam toda uma vida a escolher as palavras certas.



publicado por Laura Abreu Cravo às 11:49
link do post | comentar | ver comentários (7) |

Vai haver muita foto neste blogue, daqui em diante.


publicado por Laura Abreu Cravo às 10:30
link do post | comentar | ver comentários (6) |

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds