Quarta-feira, 23 de Maio de 2007
Breve história d'O Homem Que Se Rejeitou A Si Próprio
A caminho do fim da noite, num bar da moda, ela esperava, sozinha, o regresso de um amigo que a tinha deixado por breves momentos.

[Ele] – Olá.
[Ela] – (Preparava-se para responder, quando percebeu que não iria a tempo. Limitou-se a levantar os olhos do copo).
[Ele] – Não precisas de dizer nada. Eu sei no que estás a pensar. (E prepara-se para começar um monólogo, fazendo as vezes dela).
[Ela] – (Em silêncio, com semblante a transitar do entediado para o aturdido).
[Ele] – (Começa a declamar, em discurso directo, como se estivesse dentro da cabeça da menina à sua frente): Mas o que é que este palerma quer? Está uma miúda aqui, sossegada, à espera do outro — que por acaso não é meu namorado, mas esta criatura nem tem como saber isso— que foi à casa de banho (que sentido de oportunidade atroz, devo dizer) e vem um tipo qualquer perturbar-lhe o sossego e as contas de cabeça que fazia à vida. (interrompe e observa-a).
[Ela] – (entre o silêncio boquiaberto e a mudez divertida).
[Ele] – (Prossegue) Como se não bastasse o topete, não é nada de jeito. Está bem que é alto, mas já vi tipos com melhor aspecto. Não se coaduna com os meus padrões estéticos, mais virados, a bem da verdade, para o look beto surfista. Que maçada! Logo agora que eu estava a tentar decidir qual daqueles dois pares de sapatos que vi esta tarde é que devo comprar... Se calhar devia comprar ambos, afinal um dia não são dias. E este tipo que não se vai embora? Está bem que não é repelente, mas será que não percebe que se eu quisesse companhia já teria sequer esboçado um sorriso, por mais pequeno que fosse?
[Ela] – (ainda em silêncio, fixando as pedras de gelo do whisky).
[Ele] – (mantendo o ritmo) Se calhar é maluco. A mim calha-me toda a espécie de malucos. Já não se pode estar, calmamente, em lado algum, e vem logo um pateta destes abordar-nos. Se ao menos ele tivesse graça...Espero que não seja um tarado. Não, não tem ar disso... E daí não sei, nos dias que correm há de tudo. Que inferno! E o G. que não volta... Será que devo dizer alguma coisa? Talvez gritar-lhe... Não, também não é assim tão mau. Pode ser que se eu ficar muito quietinha ele se vá embora.
[Ela] – (Silêncio).
[Ele] – Muito bem. O seu amigo está a voltar e eu sou o André e queria agradecer-lhe a simpática oportunidade que me proporcionou de dar mais esta tampa a mim mesmo. Foi um prazer falar por si. Boa noite.

Ele afasta-se, o amigo dela regressa e leva-a embora para a vida lá fora.

Isto, caro leitor, não é ficção, mas sim a linha de engate mais bem conseguida da história da humanidade. E, como estas coisas são, a bem da verdade, como a patinagem artística, apesar da visível insuficiência ao nível técnico, o jovem André — nome fictício, bom de ver — merece não menos que 17 de nota artística. Porque, afinal, andamos cá para nos irmos entretendo uns aos outros.


publicado por Laura Abreu Cravo às 19:48
link do post | comentar |

Comentários:
De R. a 24 de Maio de 2007 às 00:17
A linha de engate mais bem conseguida da história da humanidade não funciona em mulheres que bebem whisky. Se o "André" tivesse três dedos de testa saberia isso e teria poupado a si mesmo (mais) uma tampa.


Comentar post

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds