Terça-feira, 27 de Setembro de 2005
Afectos
Homens e mulheres são, realmente espelhos de sentimentos. Uma mesma realidade origina construções tão distintas, que o encontro de vontades se torna não apenas quase-impossível, mas sobretudo exasperante na tentativa.
As mulheres sentem uma incontrolável (e desesperada) necessidade de reconduzir tudo a afectos.
Os homens sentem necessidade de reconduzir tudo o que são afectos a outra coisa que lhes interesse mais.
As mulheres acham que tudo o que se demonstra numa relação a dois decorre de afectos.
Os homens acham que, se demonstram afecto numa relação, tem necessariamente que decorrer dali alguma coisa que valha a pena.
Conclusão: As mulheres são, por definição, seres afectados. Os homens não se deixam afectar por isso...


publicado por Laura Abreu Cravo às 14:14
link do post | comentar |

Comentários:
De o cubano a 27 de Setembro de 2005 às 16:52
Homens ou mulheres:
Andou muito. Encontrou seres humanos"sim" e "não". Gente sorriso e gente sisuda. Poucas meio termo. Todas chamaram a sua atenção e registaram a sua passagem conforme as suas características. Aprendeu o bastante, mas não o suficiente, com cada uma delas. Foi avaliando os detalhes e classificando as diferenças num exercício de vida, que não pode evitar. De uns tempos para cá, tem reflectido sobre um aspecto que lhe escapou nos pormenores...
É o que se refere ao amor. Existem pessoas que amam e outras que se deixam amar. Parece trocadilho ou, então, inversão de ideias. Assegura que não se trata de antítese ou de metáfora. É a realidade constante, e pouco percebida, das relações afectivas do ser humano.
Os que amam destacam-se dos que se deixam amar por várias particularidades. Tentar enumerá-las é encarrilar por um misterioso universo e, como não possui o mapa, fica demasiado complicado. Mas sempre é oportuno assinalar alguns pormenores para esclarecer aos que, também, chegarem a essa conclusão. Quem ama acende a luz e mostra o rosto; quem se deixa amar fica na penumbra e disfarça a fisionomia. Quem ama abre os braços e abre a guarda; quem se deixa amar esquiva-se e esconde-se detrás de armaduras. Quem ama não foge à luta e encara o perigo; quem se deixa amar nunca entra em zangas e nem omite opiniões.
Quem ama fala, canta, grita e gesticula; quem se deixa amar faz silêncio entre um murmúrio e outro e move-se uma como sombra. Quem ama adivinha; quem se deixa amar omite. Quem ama faz "das tripas, coração" e desempenha o papel com o melhor de si; quem se deixa amar assiste do camarote e, raras vezes, aplaude. Entre amar e deixar-se amar está a incompreensão das relações amorosas. Um oferece e o outro recebe. Relação de troca? Pode ser! Mas é uma troca desleal e injusta. O que se vê no quotidiano são desencontros e mal entendidos. De um lado aquele que ama e do outro o que se deixa amar e no meio um vazio de fazer medo. Solidão a dois, sem dúvida.
E... sempre aquele que ama paga a despesa da festa. O que se deixou amar sai ileso e deita a cabeça no travesseiro para mais uma noite de descanso. Afinal, amanhã encontrará alguém que o ame e, então, deixar-se-á amar do alto da sua indiferença e pretensa imunidade. Aquele que amou, continuará amando.


Comentar post

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds