Terça-feira, 20 de Setembro de 2005
Humanidades
Vivemos anos a acreditar em verdades que só nós conhecemos, tendo-as por incontornáveis, ainda que não as querendo.
Assim foi comigo até perceber que a normalidade nos afectos não passa nunca por interpretá-los para conseguirmos vivê-los. Quando têm de ser moldados, aconchegados, espremidos ou esticados é porque não existem na medida em que deviam, e não podem nem devem ser vividos.
Viver afectos que não são criados para nós é como calçar sapatos um tamanho abaixo: podem ser lindos, dar pouco trabalho, causar inveja em quem passa, mas ao fim de algum tempo tornam-se tão incómodos que só nos queremos livrar deles em troca de um par de confortáveis pantufas emocionais.
Devia haver alfaiates de afectos, que os fizessem á medida...


publicado por Laura Abreu Cravo às 10:18
link do post | comentar |

Comentários:
De o cubano a 20 de Setembro de 2005 às 16:05
Pensava que podia desenhar o destino como quando fazia compras na pequena loja da esquina. Assim era quando o conheceu. O desejo foi crescendo primeiro tornando-se cúmplice, para depois se revelar em ternura. E ela continuava a pensar que desenhava o destino dos dois nos sorrisos trocados no acordar da manhã. Nunca lhe passou pela cabeça que talvez não fosse mais do que uma simples tela onde ele riscava o esboço de uma história, que podia ser apagado em qualquer momento.
E esse momento aconteceu após um sorriso matinal. Sem rancores, ódios ou discussões. Ele partiu, mas deixou-lhe coisas dele, muito pessoais, entre as quais:
Ela passou a compreender que não se pode perder aquilo que nunca se possui. Também entendeu que é difícil atender o pedido de um homem, quando pede que lhe adivinhem os sonhos. É mais fácil depois descodificar o pesadelo diz ela agora.
Também ficou a saber que no jogo do des(afectos)não se ganha nem se perde. Outra coisa que entendeu, é que é impossível o equilíbrio numa relação onde um desenha destinos e o outro vai sorrindo em longos e repetitivos silêncios, pois o afecto é sempre a mão que se toca eliminando distâncias e e não o delinear percursos a milímetro.
Hoje, passados anos, continua a sua rotina de fazer compras na loja da esquina (até porque é a mais próxima), mas perdeu a mania de desenhar o destino..., pensa ela.


Comentar post

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds