Quarta-feira, 29 de Junho de 2005
Viver num tradicional bairro alfacinha é
Ouvir um "Bom dia, Menina...!" cantado, logo pela manhã...


publicado por Laura Abreu Cravo às 12:44
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Segunda-feira, 27 de Junho de 2005
Saudades VI
Juro que adormeci ao teu lado, mesmo estando tu tão longe...

publicado por Laura Abreu Cravo às 17:42
link do post | comentar |

Saudades V
Passei a nossa vida a dizer-te que não convivia bem com o facto de nunca estares lá para mim.
E o que fazer, agora que estiveste, e isso deixou de ser desculpa?...


publicado por Laura Abreu Cravo às 12:50
link do post | comentar |

Quarta-feira, 22 de Junho de 2005
Saudades IV
De me deixar afundar no teu sorriso e afogar na gargalhada das nossas cumplicidades...


publicado por Laura Abreu Cravo às 10:44
link do post | comentar |

Sexta-feira, 17 de Junho de 2005
Humanidades
Descobri uma coisa sobre mim, sobre a minha posição no mundo, e o lugar que ocupo na Humanidade:
Não me irritam as pessoas limitadas mas sim aquelas que não têm a mínima noção das suas limitações.
Vivo bem convivendo com tolos, desde que não estejam sobranceiramente convencidos de que são seres iluminados. Não há nada mais deprimente e constrangedor no âmbito da intelectualidade (para os interlocutores, não para o parvo, que, naturalmente não tem noção) do que um absoluto idiota armado em esperto...
Conheci recentemente um homem assim. A vida (entenda-se, uma família bem colocada) proporcionou-lhe um bom emprego, a fatalidade proporcionou-lhe uma família, o destino atravessou-lhe à frente alguns amigos, e este homem acredita, genuinamente, que tudo isto são feitos de que pode e deve orgulhar-se... Acho mesmo que nunca leu um livro, e tem alguma dificuldade em matéria de ortografia, que vai desculpando com a necessidade da fazer "várias coisas ao mesmo tempo" e "escrever depressa".
Admiro as pessoas que admitem que não gostavam de estudar e por isso seguiram percursos alternativos, que vivem vidas à margem de coisas sem as quais eu não vivo e me são essenciais, porque, pura e simplesmesmente não lhe foi incutida essa necessidade, ou a vida fez com que a perdessem. Mas não admiro patos-bravos tão estupidamente obcecados pelo próprio umbigo que não se apercebem que o mundo (que não gira em torno deles) é composto de uma imensidão de coisas e obras de outros seres que este tipo de homens (e mulheres) devia, ao menos, ter a humildade de querer conhecer, ou então a humildade de admitir que sabe viver sem elas por não as entender...
Não é uma manifestação de snobismo intelectual, isto que vos escrevo.. é apenas um desabafo de alguém que está inegável e transbordantemente farta de idiotas cheios de si....


publicado por Laura Abreu Cravo às 14:38
link do post | comentar |

Quinta-feira, 16 de Junho de 2005
Arrastão
Voltámos aos "doces" tempos da velha senhora...
Se, antes de Abril de 74, mais do que cinco na rua, eram uma conspiração, nos dias que correm, trata-se, sem sombra para dúvidas, de um Arrastão...


publicado por Laura Abreu Cravo às 10:39
link do post | comentar | ver comentários (1) |

A luta continua?
Morreu Álvaro Cunhal, e quem viveu e vive neste século não fica, concerteza indiferente à sua personalidade.
Não pode, no entanto, deixar de me irritar que a Esquerda chame a si, única e exclusivamente, os louros (ou, neste caso, os cravos) da revolução de Abril, como se a Direita (toda ela), à data, se tivesse limitado a olhar para o lado e assobiar para o ar...
Entristece-me este reescrever da história que se faz à laia de homenagem póstuma...
Alguém ainda se lembra que, independenetemente do mérito na luta contra a ditadura, o Dr. Álvaro Cunhal teria sido, se os sóviéticos o tivessem apoiado no plano megalómano, o grande pai de uma segunda ditadura, deste feita a de Esquerda?
Que a sua alma descanse em paz, mas convicta de que não é a única a merecer as almofadas de seda do paraíso...


publicado por Laura Abreu Cravo às 10:30
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Segunda-feira, 6 de Junho de 2005
Relações Sociais (e não só)...
Começo a achar que não é de pessoas que não gosto, mas das relações que algum tipo de pessoas insiste em estabelecer entre si (e mim) .
Não tenho paciência para as chamadas relações sociais, para aquelas que não têm por base exclusiva a sincera ligação e admiração afectivo-intelectual, ou, numa visão apriorística, a mera e inexplicável empatia entre duas criaturas.
Há já algum tempo tinha reduzido consideravelmente a minha lista de eventos "to attend to" em nome da mais absoluta coerência com tudo isto, mas, como qualquer boa intenção, acabou por ser corrompida, em nome do eterno "fica mal não ires"...
Depois de um acontecimento recente, percebi que não vale a pena ser fiel senão aos meus princípios, e neles, às relações emocionais e afectivas que queira mesmo manter.
Amizades daquelas que não valem a pena, são como moedas de cêntimo: desaparecem nas alturas em que mais precisamos delas, no mais das alturas só fazem peso na carteira, e sobretudo, perdem-se sem nunca se saber porquê e aparecem, pela calada, nos momentos mais inconvenientes...Ah, e quando estamos perto de perdê-las, acham sempre que temos de nos baixar para apanhá-las...
Decidi acabar com os fretes... é que tenho problemas de coluna e não me consigo baixar...


publicado por Laura Abreu Cravo às 11:38
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Quarta-feira, 1 de Junho de 2005
Mais Pessoa, mais de mim, mais do mesmo...
Outros terão
Um lar, quem saiba, amor, paz, um amigo.
A inteira, negra e fria solidão
Está comigo.

A outros talvez
Há alguma coisa quente, igual, afim
No mundo real.
Não chega nunca a vez
Para mim.

"Que importa?"
Digo, mas só Deus sabe que o não creio.
Nem um casual mendigo à minha porta
Sentar-se veio.

"Quem tem de ser?"
Não sofre menos quem o reconhece.
Sofre quem finge desprezar sofrer
Pois não esquece.

Isto até quando?
Só tenho por consolação
Que os olhos se me vão acostumando
À escuridão.

Fernando Pessoa, 13-1-1920.

publicado por Laura Abreu Cravo às 14:41
link do post | comentar |

Sexo e a cidade Lição n.º 5
Para os interessados (e eu consigo imaginar pelo menos 3 meninos, os do costume...), informo que o episódio do vestido de ganga que quase me impediu de comparecer ao aniversário de um amigo, tornou a repetir-se, deste vez num estabelecimento comercial na baixa pombalina...

Ando mesmo a equacionar a possibilidade de vender os direitos de transmissão a um qualquer canal de televisão, tendo em conta a qualidade do "enterteinment" proporcionado pelo momento...

publicado por Laura Abreu Cravo às 11:01
link do post | comentar |

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds