Terça-feira, 29 de Novembro de 2005
Memo to myself
O lado emocional dela: - E agora? Depois de tanto tempo, acho mesmo que ele é o Amor da minha vida. O que é que eu faço????
O lado racional dela: - Senta-te e espera que passe...!


publicado por Laura Abreu Cravo às 15:29
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Sexta-feira, 25 de Novembro de 2005
A Banana da Madeira recomenda

A Couve-de-Bruxelas, e toda a revista Atlântico, já nas bancas.


publicado por Laura Abreu Cravo às 11:24
link do post | comentar |

Quinta-feira, 24 de Novembro de 2005
Mário Soares declarou que não dormirá descansado com Cavaco Silva em Belém

Tiago, querido, seja amoroso e envie um e-mail ao Dr. Soares com o nome do medicamento que receitaram ao menino, sim?
Algo me diz que os efeitos secundários não se notarão muito no Dr. Soares...


publicado por Laura Abreu Cravo às 15:29
link do post | comentar |

Quarta-feira, 23 de Novembro de 2005
Aplausos, por favor...
Este blog rendeu-se, finalmente, ao poder das imagens, mas, para que fique, desde já, esclarecido, neste espaço, elas NUNCA valerão mais do que mil palavras...


publicado por Laura Abreu Cravo às 17:25
link do post | comentar | ver comentários (1) |

A melhor porta que abri nos últimos tempos, banda sonora dos dias recentes e futuros



publicado por Laura Abreu Cravo às 17:13
link do post | comentar |

Estado Contemplativo
Este blog esteve alguns dias em "pesquisa de campo" (em sentido estrito e em sentido lato, em sentido geográfico e em sentido sociológico), ou, conforme linguagens bloguísticas mais apuradas, andou "à escuta"( e escutou tudo o que queria e muito do que dispensava)...
(Quer parecer, lendo a primeira página do Expresso deste Sábado, que outros andaram a fazer o mesmo, mas eu não sou de intrigas...)

Algures por volta de 11 de Novembro, este blog pegou nas Vuitton e rumou, com duas outras amazonas, à feira da Golegã, trazendo, na volta, dois sobretudos encharcados em baba de cavalo, dois pares de botas TOTALMENTE impraticáveis (naturalmente, a única coisa que aceitei montar foi um par de DKNY) e 300 anos de tradição (de outras pessoas) que nos assentam que nem uma luva. A feira tem muita graça, aprendeu-se uma linguagem nova, bebeu-se abafadinho antes do escurecer, o moço de estrebaria era um querido, a gente era toda óptima, pena os bichos que por lá andavam, nem todos devidamente aparelhados...

E, de volta ao meu amado mundo urbano, desprovido de tradições e valores seculares, foi a felicidade de reencontrar a rotina sem bosta de cavalo por perto, o mau humor do dono da tabacaria do Bairro e o barulho dos eléctricos e do sino da Igreja deixada pelo Estado Novo sem os quais já não sei definir o meu silêncio.

Foi, sobretudo, ir até a Culturgest ver o concerto do Mário Laginha, que não é brilhante mas brilhou um bocadinho, e depois beber um bom vinho no Snob, que sabe à sala de jantar de casa dos tios, enquanto o Senhor Albino e o Senhor Azevedo profetizavam o temporal que nos esperava lá fora...

Foi, finalmente, no dia seguinte, encontrar para o Brunch,(que, para descanso do Henrique, não será nunca às 11, porque o nosso fuso horário é o do sonhos que temos), 3 amigos com quem queremos mesmo estar para contar tudo aquilo que eles já sabem e ouvir deles tudo aquilo que já sabemos, e passear pelo Chiado e pela Baixa que já transpiram Natal.

É bom viver em Lisboa todos os dias e voltar de vez em quando...



publicado por Laura Abreu Cravo às 15:00
link do post | comentar |

Sexta-feira, 11 de Novembro de 2005
Verdades dogmaticamente incontestáveis
Não é fácil, e aliás, tem sido notoriamente impraticável, acumular os registos de mulher independente e resolvida no eixo da alta finança e blogger activa.
Para os mais insistentes na matéria fica o apontamento:
Se não sou capaz de manter a actualização diária de um blog, como esperam que faça com uma relação a dois, ou, no limite, uma criança?
A minha vida familiar fica a aguardar tempos melhores, nomedamente, quando se consiga compilar toda uma família para uma magic pen, activar o modo "hibernar" ou screensaver no cara-metade e tranportar os putos para o infantário via e-mail, em formato pdf.


publicado por Laura Abreu Cravo às 15:40
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Não quero ser um Alka Seltzer na vida de ninguém
Porque, muitas vezes, os sapos que nos vemos obrigados a engolir, pela vida fora, dão muitas dores de barriga...

publicado por Laura Abreu Cravo às 12:52
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Segunda-feira, 7 de Novembro de 2005
Onde anda a Amnistia Internacional quando precisamos dela?
Se, num determinado momento ando, literalmente, debaixo de fogo, no momento seguinte, apanho, invariavelmente, com um balde de àgua gelada...
Na minha vida, todos os dias, começo a reconhecer algumas afinidades com Guatanamo...

publicado por Laura Abreu Cravo às 15:06
link do post | comentar |

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds