Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2007
O melhor de 2007



publicado por Laura Abreu Cravo às 12:20
link do post | comentar | ver comentários (3) |

And this is reality

Nesta casa a humanidade consome-se em doses moderadas e cada interveniente é submetido a um processo de selecção criterioso, eclético e contraditório (não porque tenha direito de resposta mas porque, por vezes, é arbitrário, aleatório e incoerente). Sem sequer termos dado conta, este pedaço de Criação entrou-nos porta dentro e acomodou-se. E agora, resolveu que tem um blogue. Logo um dos melhores. Ide ver.



publicado por Laura Abreu Cravo às 12:04
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2007
No metro quadrado à minha volta não é Natal, mas...

 

...se fosse, este video muito possidónio tem a banda sonora que seria a minha preferida. Se a voz vos parecer muito familiar, é porque é.



publicado por Laura Abreu Cravo às 16:34
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007
Das coisas que vão bem com "A Cartuxa de Parma"


publicado por Laura Abreu Cravo às 12:24
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Terça-feira, 18 de Dezembro de 2007
On conservative girls
Desde que cheguei à blogosfera tenho assistido a um interessante corrupio de auto e hetero definições entre liberais e conservadores. Argumentos de pendor económico, nuns casos; noutros, a não menos relevante questão dos costumes. Uns e outros tomando posições no mundo partindo do pressuposto de que pertencem a uma destas famílias ou, num trajecto inverso, descobrindo-se membros de uma ou outra tendo em conta as suas posições ante casos concretos. Conheço poucos blogues que se definam como liberais e não tenham uma linha editorial exclusivamente politica, talvez apenas estes rapazes. Já nos conservadores, basta atentar na epígrafe apresentada pelo jovem Tiago (que posso quase garantir, a escrever desta maneira, nasceu já com 47 anos) ou neste cavalheiro (com quem basta estar durante o tempo suficiente para lhe ouvir um par de palavras e perceber o quão apelativo pode ser o vinco do tweed emocional).
Ao contrário de muitos que tenho o prazer de ler, não percebi nada destas coisas senão a duras penas. Não vibrei ao descobrir-me liberal, no que à economia diz respeito, porque tudo isso me pareceu bastante e apenas inevitável, mas no resto, naquilo que é a vida e a minha relação com o mundo, na minha experiência não apenas sensorial com tudo o que me rodeia, a ferro e fogo fui-me descobrindo conservadora, reaccionária mesmo. Porque a mudança, mesmo para melhor, mesmo para acomodar o ainda desconhecido bom que vem tomar lugar do mau já familiar, não chega nunca sem resistência, sem uma guerra interior de horror ao incerto, sem a necessidade de deitar fogo ao que lá esteja para poder plantar de novo. Não quer dizer que o conservador não reconheça e ceda à necessidade de mudar, significa apenas que a mudança se nos apresenta (sempre e necessariamente) como um princípio agressivo, como um reduto último, temido e respeitado como as grandes tempestades no mar.
Muitos dirão que em cada conservador está um pateta medroso e inseguro. Mas há uma parcela de humanidade com esta singular e estranha característica: quando lhe tiram o conhecido e o que tem por certo, olha para as próprias mãos em concha e identifica apenas o desconhecimento do porvir e o aguardado mundo de novas vivências. E todo esse novo mundo, até ver, parece demasiado pouco de tão vasto.



publicado por Laura Abreu Cravo às 22:37
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007
Não, nem a autora nem o blogue deixaram de existir tal qual os conhecemos. Graças a um simpático leitor devidamente identificado, que veio indagar “onde andaria eu a escrever” a culpa da negligência a que devotei esta casa nos últimos tempos abateu-se sobre a minha cabeça como as chuvas de Abril. Não mudámos de poiso, não escrevemos para outros destinatários--porque gostamos dos nossos, tão opinativos e presentes. Andamos a escrever em folhas sem graça, timbradas e estandardizadas, missivas intermináveis na árida prosa jurídica, longe dos prazeres mornos destes exercícios livres e (desejavelmente) irresponsáveis. Quando não estamos aqui, não estaremos noutro sítio qualquer, a não ser na vida real. Mas obrigada aos resistentes, aos curiosos e aos entusiastas.


publicado por Laura Abreu Cravo às 16:30
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds