Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2008
Queiram desculpar a falta de entusiasmo (ii)

 

Se excluirmos os anos primeiros em que andava em busca de uma percepção do mundo e do meu próprio nariz e algumas esporádicas excepções, as (até agora) 28 passagens de ano que tive ocasião de viver em pouco diferiram de ano para ano. O que (note-se) neste caso concreto, é uma coisa boa. Desde cedo me lembro que a época começava com os preparativos, que passavam sempre pela compra ou confecção (na modista) de um vestido longo, porque no Funchal a coisa se fazia a preceito. Os homens de fato ou smoking, tudo sem pinga de pretensão porque, naquela noite, ricos e remediados e pobres poupados, todos se vestiam melhor — como se fosse a missa — e a igualdade era nivelada por cima.

A meia-noite era passada em casa, com a família e amigos próximos, o que incluía várias gerações de pessoas que se relacionavam desde sempre e se encontravam, ao menos naquele dia, para saudar os que estavam por vir. Os fogos de artifícios não eram apenas uma atracção cénica e visual, mas 8 minutos de intensa purga e libertação das coisas más do ano anterior, sempre com lágrimas nos olhos, emoção contida e intensa, olhando à vez os que nos são importantes, recordando outros que já lá não estavam. Até cerca das 03:00 a festa fazia-se em casa, com novos, adultos, velhos e crianças, em fatiota aprumada; depois, os adultos saíam para as festas dos hotéis (onde, pela primeira vez, aos 13 anos, o meu avô me apresentou aos rodopios ao som de uma big band, homens de fatos escuros e instrumentos dourados). Com o passar dos anos as idas aos hotéis (e aos seus bailes) foram sendo alternadas com outras festas mais posh, sem que tenham, contudo, saído de moda. As discotecas começavam a acolher os que saíam dos hotéis ou festas privadas cerca das 6 da manhã, como se a noite tivesse acabado de começar. Pelas 11 da manhã, com o sol brioso e desafiador já alto, procurava-se um (outro) hotel que servisse pequeno-almoço aos noctívagos, ainda de vestido comprido e smoking, sob o olhar atónito dos turistas que se tinham deitado antes sequer do início da (nossa) noite e se preparavam para o primeiro mergulho do ano, compondo assim aquela sala numa estranha mistura de glamour já decadente e esborratado com a antecipação dos dias de verão.
Dito isto, desculpem se não me entusiasmo com quase mais nada. Feliz 2009.


publicado por Laura Abreu Cravo às 14:37
link do post | comentar |

Queiram desculpar a falta de entusiasmo



publicado por Laura Abreu Cravo às 14:06
link do post | comentar |

Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008
2008 Shuffle

Mudar de emprego duas vezes;

Micah p. Hinson de todas as perspectivas;

The National, na aula Magna;

O Rogério Casanova (agora em todo o lado menos no blogue);

The Last Shadow Puppets;

O regresso do MEC;

Caramel, de Nadine Labaki;

Vampire Weekend;

De Campo de Ourique para o Chiado; 

Termo-nos enganado na data do concerto de Toumani Diabaté e perdido a coisa por um dia com bilhetes já comprados;

O fim do frete social (com tudo aquilo que de bom e mau veio agarrado);

Ter ficado a arder quando o senhor Zach Condon dos Beirut, resolveu cancelar a tournée em vez de tomar uns Prozacs e fazer-se homenzinho;

Reviver o passado em Brideshead (a série e o livro);

Estar à mesa com amigos;

Os irmãos Karamazov;

Persepolis, de Vincent Paronnaud e Marjane Satrapi (bem lembrado pela Sara);

Fleet Foxes;

O Irmão Lúcia;

A lareira;

A purga de uma fatia de vida que estava podre;

Agustina, livro sim, livro não;

O Melancómico;

O sofá novo que chegou há 3 dias;

Uma festa que vai acontecer em Outubro de 2009.  



publicado por Laura Abreu Cravo às 14:46
link do post | comentar | ver comentários (4) |

Terça-feira, 23 de Dezembro de 2008
Merry Coiso and all



publicado por Laura Abreu Cravo às 16:27
link do post | comentar |

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2008
Para incluir nos programas escolares

Tentar arrastar no esterco a mulher dos outros nunca fará da tua uma mulher mais pura.



publicado por Laura Abreu Cravo às 10:35
link do post | comentar |

Até ao lavar dos cestos

Enquanto não entrarmos em 2009 será demasiado imprudente fazer o balanço de 2008.



publicado por Laura Abreu Cravo às 10:32
link do post | comentar |

Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2008
As moscas

Maldita seja. Esta incapacidade de navegar à bolina no inócuo, de olhar o outro com a dormência do desinteresse. Os problemas tomam forma e logo ela se atira a eles como metal atraído por um íman poderoso. E joga o jogo, salta as barreiras — até cair de exaustão — junta as peças do puzzle que nem assim faz sentido, prevê cenários futuros, movimentos alternativos, formas de iludir o inimigo. To feel strongly about singifica não ter paz. Não descansar por um segundo sequer, porque alguns problemas são vigilantes, recaem no inesperado, afirmam-se a toda a hora, sufocam, ocupam o espaço que não lhes pertence e secam tudo em redor. Afastam as vontades e as ideias e dão lugar apenas à reacção ou à angústia antecipada. Tentamos, sem sucesso, matar o problema ou, simplesmente, ser capazes de lhe ficar imunes. Num segundo momento, contentamo-nos já com a hipótese de recuperar as forças enquanto ele vai e volta (sem nunca deixar de estar presente, fazendo sombra), como com as moscas de verão, ledas do calor e incapazes de apreender a disciplina, que acodem sempre para pousar no braço de onde as tínhamos enxotado.

Até que cedemos ao cansaço, deixamos de produzir uma reacção exterior à agressão, mantemos um sorriso vítreo e vazio enquanto fitamos tudo como um filme do qual deixámos de fazer parte e acordamos, a cada dia, com uma amargura asséptica, quase hospitalar. E as moscas pousam, à sua vontade e fazem sua a casa dos exauridos.


publicado por Laura Abreu Cravo às 11:40
link do post | comentar |

Gestão de recursos humanos aplicada

 

 

And if I didn't think it was worth one single try,

I'd jump right on a big bird and then I'd fly



publicado por Laura Abreu Cravo às 10:38
link do post | comentar |

Da insuficiência da rede de transportes públicos

Sabem aquelas pessoas sobre as quais pensam que não se importariam nem um bocadinho que fossem atropeladas à bruta por um eléctrico? Pois. Nos dias que correm, o que me preocupa é não haver eléctricos que cheguem.
 



publicado por Laura Abreu Cravo às 09:31
link do post | comentar |

Terça-feira, 16 de Dezembro de 2008
Repitam todos comigo

Mesmo que os dias tenham sido longos, intermináveis, tensos e mais do que difíceis; que tenham trocado os vossos horários em relação aos do resto do mundo (e só consigam alinhar o vosso fuso temporal com Singapura ou com operários de uma fábrica de conservas no Panamá); que tenham passado horas a fio à frente um computador ou afundados em papéis; nada (mas mesmo nada) justifica que se substitua o pequeno-almoço e o almoço por sucessivos pacotes de M&Ms.



publicado por Laura Abreu Cravo às 13:13
link do post | comentar | ver comentários (3) |

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds