Quinta-feira, 30 de Abril de 2009

 

Deixem-se estar nos vossos afazeres. Eu vou só sentar-me aqui um bocadinho e esperar que a estupidez dos dias passe, sim?



publicado por Laura Abreu Cravo às 12:36
link do post | comentar | ver comentários (6) |

Famílias numerosas nos tempos modernos

Alimentar o blogue, o twitter e o facebook.



publicado por Laura Abreu Cravo às 12:25
link do post | comentar |

Quarta-feira, 29 de Abril de 2009
Se não puderes tê-la no lugar, serve-a numa bandeja

 

Salomè con la testa del Battista, Caravaggio

 



publicado por Laura Abreu Cravo às 19:53
link do post | comentar |

Afinal, o chiado é um bairro como outro qualquer

 

Acordo, faço movimentos pouco úteis e circulares durante algum tempo até estar pronta e saio porta fora para um dia hostil de cinzento. Decidi trazer do fundo do armário uns consideráveis saltos altos que raramente vêem luz. Um vizinho cioso da higiene da soleira da sua porta resolve, todas as manhãs, em plena rua da Misericórdia, limpar a calçada portuguesa (inclinada e naturalmente escorregadia) com esfregona e detergente. Não tenho de explicar ao caro leitor o que aconteceu assim que os meus saltos 12 cm tocaram levemente aquela armadilha mortal, pois não?

Depois de ter recolhido os cacos de mim mesma espalhados quase até ao cais sodré, entrei numa óptica para repôr um parafuso mínimo que andava, há dias, solto dos óculos escuros. A simpática profissional da optometria que me acolheu era seguida por um gato atento que, numa fracção de segundos, vendo cair o parafuso dos meus óculos da mão da dona, se precipitou a engoli-lo. O tareco obeso comeu uma peça de uns óculos escuros fabulosos que agora tem de se mandar vir de novo. Já vos disse que adoro a vida de bairro?


publicado por Laura Abreu Cravo às 11:13
link do post | comentar | ver comentários (5) |

Segunda-feira, 27 de Abril de 2009
Vamos falar de liberdade?

 
Nem por um segundo passaria pela minha cabeça direitista negar ou relativizar a importância do 25 de Abril, muito pelo contrário. Mas a posição totalitária que algumas pessoas assumem em relação às virtudes da revolução — como se das suas próprias virtudes se tratasse — é algo que só se explica se olharmos para uma questão de relevância geral à sombra do impacto particular sentido por cada um.
Eu explico: as pessoas muitíssimo ofendidas com piadolas sobre a ditadura ou revolução poderão ser (i) gente que sofreu os horrores do regime ditatorial na pele (ii) gente que sofreu os horrores do regime imediatamente pós-ditatorial na pele ou (iii) gente com uma enorme incapacidade de auto-ironia. Se, até nas profundezas do meu ser tomadas pelo sarcasmo, reconheço total legitimidade aos primeiros e segundos (incapazes de distanciamento por não serem objectivamente distantes); já quanto os terceiros, começa a tomar forma o meu lado segurem-me-que-eu-vou-me-a-eles.
São os defensores que se confundem com a causa defendida, que sacralizam nos seus rituais e lapela momentos que pertencem a todos. É, exactamente porque pertence a todos, que a todos assiste o direito de fazer o uso que entender da liberdade que lhe foi trazida (na exacta medida do legalmente permitido, entenda-se). Seja marchando avenida abaixo ou, como eu, que tenho horror a manifestações e marchas, procurando barricar-me em casa nos dias das ditas. Mas não admito, por um minuto, que os puritanos das liberdades me imponham uma forma ou padrão colectivo de demonstrar o meu respeito pela liberdade. Mesmo que me apeteça fazer uma piada que outros julguem ser idiota. Porque, se bem me lembro, também se lutou pelo direito à piada idiota. Ou, pelo menos, a constituição de 74 não continha nenhuma excepção a esse caso concreto no capítulo das liberdades.
Todos comigo: Quem não tem capacidade de rir de si próprio é cócó.


publicado por Laura Abreu Cravo às 16:36
link do post | comentar |

Sexta-feira, 24 de Abril de 2009
É correr às livrarias, é correr



publicado por Laura Abreu Cravo às 11:44
link do post | comentar |

Quinta-feira, 23 de Abril de 2009
Shhhh

 

Gente da nossa idade já devia saber que os jantares faustosos não devem ser à Quarta-feira.



publicado por Laura Abreu Cravo às 11:17
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Quarta-feira, 22 de Abril de 2009
Banalidade, um paliativo

Nunca vou perceber os que, por princípio, rejeitam a banalidade. Como se fosse tão somente uma perda de tempo. Não se faz uma vida de banalidades, mas não se pode viver sem elas. São a única forma de quebrar o silêncio sepulcral e doído depois de uma discussão entre duas pessoas íntimas mas, naquele momento, demasiado afastadas pelo perigo iminente de voltar ao assunto que ensombra a paz ainda precária. São a porta de entrada para os mundos fechados dos desconhecidos, esquivos ou magoados e o único registo seguro entre os lados opostos das disputas sérias que distanciam os homens. As banalidades, em muitos casos, são a balsa de salvação que nos impede de sermos afogados nos nossos desvarios emocionais e imprudências linguísticas e palavrosas.

Não creio que quem não tenha nada de sério para dizer deva estar sempre calado. O silêncio é, em si mesmo, tão pesado que só deixa respirar as relações humanas saudáveis e serenas, tão raras e preciosas quanto instáveis.
É certo que as banalidades não acrescentam nem enriquecem, mas são o cimento que impede as relações humanas de ruir, porque distraem e permitem uma convivência entre inimigos, ex-amantes, vizinhos zangados, colegas em competição. São uma manobras de diversão, uma actividade lúdica e artificiosa que, se dominada com mestria, evita a necessidade de, em situações adversas, fazer-se uma escolha que pode ser empurrada para dias mais calmos, saradas as feridas.
Há momentos em que não é preciso dizer muito, desde que se diga alguma coisa, ainda que desimportante.


publicado por Laura Abreu Cravo às 10:35
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Terça-feira, 21 de Abril de 2009
Dos dias mornos

 

Por Deus, não se ponham já todos com os pés à mostra, sim? Sandálias em quantidade, mas nunca antes de Maio.



publicado por Laura Abreu Cravo às 10:45
link do post | comentar | ver comentários (5) |

Segunda-feira, 20 de Abril de 2009
A bulha imobiliária

 
J costuma dizer que cada proprietário português acha que tem um palácio. Cada vez tenho menos dúvidas quanto à pertinência desta afirmação. Na busca recente por novo poiso para o agregado familiar, vimos de tudo. Casebres inflacionados a palacetes, T3 onde não caberiam (todos) os meus sapatos, a profusão de condições absurdas para a celebração dos contratos de arrendamento, senhorios que não arrendam casas a advogados (com medo de litigâncias futuras ou de arrendatários que, sei lá, pretendem exercer os direitos que a lei (e o bom senso) lhe conferem). Mas nada como aquela casa na lapa, perto da embaixada de França, que se fazia anunciar no site, como um t2+2 com Jardim de 120 m2.
Chegados ao prédio, avançámos pelas razoáveis assoalhadas até chegar ao jardim onde, no meio da abundante vegetação (e daquilo que deveria ser a área de lazer), desvendámos um cubo em rede de arame que fazia as vezes de galinheiro. Mais por graça do que por fé, perguntei em tom de afirmação se a fauna seguiria o seu rumo caso decidíssemos fechar negócio. A simpática proprietária informou-me que, não tendo outro local onde deixar os animais, o arrendamento teria de incluir os bichos. Que se oferecia para pagar o milho, mas queria acesso à casa duas vezes por mês para averiguar da saúde dos ditos. Ante a minha apoplexia, a senhora descomplexou a coisa afirmando que eu não me preocupasse, porque se oferecia para (juro) pagar o milho.
Naturalmente que zarpámos dali para fora bem a tempo de dar uma descompostura ao incompetente agente imobiliário que nos levou sem nos avisar que estaríamos a arrendar um par de galináceos. A vontade que eu tive de dizer que sim. E, depois, encomendar uma raposa de estimação.

 



publicado por Laura Abreu Cravo às 15:32
link do post | comentar | ver comentários (5) |

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds