Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009
Tem dias

 

 



publicado por Laura Abreu Cravo às 23:16
link do post | comentar |

O segredo está em escolher um vestido debaixo do qual se possa guardar armas

 



publicado por Laura Abreu Cravo às 10:01
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Terça-feira, 29 de Setembro de 2009
Das coisas que podem ser subtis mas nunca inocentes



publicado por Laura Abreu Cravo às 13:20
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Tic Tac

Quando um agente social razoável e moderado se torna um fundamentalista, talvez seja útil, antes de lhe gritar impropérios, analisar uma a uma as razões desta mudança de comportamento.

Em muitos casos, é a reincidência permanente e insuportável de determinados actos — que isoladamente não significariam grande coisa, mas que, no seu conjunto, consubstanciam inevitavelmente uma coisa grande — que leva a mais racional das criaturas a vestir o seu colete de explosivos e sair para rua.


publicado por Laura Abreu Cravo às 12:48
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Pelos vistos devíamos ser mais calmos e racionais. Não nos deixarmos atingir pelas coisas supostamente menores. Sucede que há coisas menores que insistem em ocupar espaço o tempo todo. É como andar uma vida inteira com um alfinete solto no sapato: não ocupa espaço quase nenhum, mas nem por um segundo nos conseguimos esquecer dele e daquela dor aguda. Até ao dia em que resolvemos, pura e simplesmente mudar de sapato.



publicado por Laura Abreu Cravo às 12:41
link do post | comentar | ver comentários (6) |

Domingo, 27 de Setembro de 2009
The Deal Breaker

A arte de bem gerir uma negociação está sobretudo na capacidade de lidar com aquilo que comummente se chama Deal Breaker. O Deal Breaker é aquela questão (ou conjunto de questões) que uma das partes numa negociação considera essencial para a defesa dos seus interesses e do equilíbrio contratual, e, portanto da qual não estará disposto a abdicar; o que, muitas vezes, poderá significar que um negócio, à partida, vantajoso para todos, acaba por não se fazer.
São os pontos que acabam, invariavelmente, por ser deixados para o fim de uma discussão, porque as partes querem avançar o máximo possível da determinação dos termos e condições das suas relações até ao momento em que tenham de entrar nessa área mais lodacenta e indefinida.
Deal Breakers que se prendem com as questões da arquitectura contratual, mas há outros que decorrem apenas das especiais circunstâncias de uma parte, naquele momento concreto. Na fase em que se aborda as questões susceptíveis de configurar Deal Breakers as partes vão jogando entre si numa espécie de bailado, com avanços e recuos e namoros e arrufos até que, idealmente, encontram um compromisso que acautele os interesses de ambos. Nem sempre as negociações serão equilibradas, já que, como em tudo na vida, uma parte estará, quase sempre, em situação mais débil do que a outra.
De todo modo, a mesa das negociações ensina-nos uma coisa essencial: nunca ignorar o Deal Breaker, nem tentar contorná-lo habilmente como se não estivesse lá.

Quando uma parte se vê obrigada a ignorar aquilo que, para si, é essencial, apenas para sobreviver fazendo o negócio cujos contornos realmente não lhe parecem justos, o mais certo é estarmos a lidar com um desesperado. E, apesar de tudo o que se possa dizer por aí, um desesperado nunca é um bom negócio. 

 

 

Corrigido, com um obrigada a R.



publicado por Laura Abreu Cravo às 11:55
link do post | comentar | ver comentários (3) |

Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009
Entretanto, chegou isto.



publicado por Laura Abreu Cravo às 12:30
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Quando entrei, esta manhã, às 07:45, o simpático porteiro do escritório perguntou:

Noooossssssaaaa. Não foi a doutora que eu vi saindo daqui não faz nem 3 horas?

Pois. Eu sabia que devia ter apanhado gripe A.



publicado por Laura Abreu Cravo às 12:28
link do post | comentar |

Terça-feira, 15 de Setembro de 2009

Tendo em conta o número de pessoas que pergunta se vou mudar de nome, começo a duvidar se já perceberam que vou casar e não mudar de sexo. Estavam à espera de quê, que passasse a chamar-me António? António é um nome bem bonito. Gosto. António Abreu Cravo.



publicado por Laura Abreu Cravo às 18:16
link do post | comentar | ver comentários (6) |

Planeamento de agenda para sobreviver às próximas 3 semanas: apanhar Gripe A rapidamente.



publicado por Laura Abreu Cravo às 18:09
link do post | comentar |

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds