Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010
Memória de elefante

A memória é o nosso grande educador. O repositório de um conjunto de experiências e vivências e, anos depois, a fotografia mental (mais ou menos nítida) dos efeitos causados pelo impacto dessas mesmas experiências e vivências. Por isso, nunca esqueço.

Quando alguém nos faz passar por uma experiência ou vivência que justifica a produção (e consequente reprodução), a espaços, de uma memória específica, essa pessoa passa a ser parte num processo que, em alguma medida, produziu uma alteração ao curso normal da nossa vida e à formação linear da nossa personalidade.

Depois daquele momento, somos tudo o que fomos até ali e mais o que acaba de ser inscrito no nosso registo mental por via daquele caso concreto. É esta a razão pela qual não admito, nem aceito, que as pessoas, em vez de assumirem total responsabilidade pelo impacto dos actos que tenham originado, tentem fingir que nada aconteceu e retomar as coisas (e a convivência) do ponto imediatamente anterior.

Quem me trama, também me educa e, um dia, eu vou querer agradecer os conhecimentos adquiridos. Podem apostar que vou.



publicado por Laura Abreu Cravo às 14:08
link do post | comentar | ver comentários (8) |

Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2010
Estou a fazer o melhor que posso

 

Na semana em que resolvi fazer ressurgir o Blogue deu-se uma catástrofe natural, o defunto direito financeiro ressuscitou-me nas mãos avariando-me a vida e o MEO empanou levando consigo a televisão e a possibilidade de postar a partir de casa. Pelo sim, pelo não, achei melhor ir comprar um vestido de Verão na minha hora de almoço.


publicado por Laura Abreu Cravo às 16:09
link do post | comentar | ver comentários (3) |

Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010
Eu vou só ali tomar um valium

 

Uma pessoa percebe que chegou ao limite da sua resistência emocional quando dá por si com os olhos marejados de lágrimas ao ver esta fotografia. Se isto resvalar para tecer loas à grandeza do homem, por favor abatam-me.



publicado por Laura Abreu Cravo às 23:04
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Domingo, 21 de Fevereiro de 2010

Vivi, até aos 17 anos, na Madeira. O Direito trouxe-me para Lisboa e lá ficaram, até hoje, os meus pais, tios, primos e amigos de uma vida inteira. Estava calmamente desinformada quando me ligaram, aqui de Lisboa, a dar conta do que se passava e a perguntar pelos meus. Nesse momento, começou uma epopeia de tentativas de telefonemas e de contactos que, de tão distantes da rotina, pareciam encenados, como que parte de uma outra realidade.

 Os pais, imediatamente contactáveis, narravam coisas que julguei impossíveis. Fui acompanhando no twitter (já que, nas primeiras horas, poucos meios de comunicação convencionais davam informação regular sobre o que se estaria a passar). Contagem crescente de mortos, populações isoladas, pessoas que perderam quase tudo e uma sucessão de imagens que me esforço por reconduzir a locais conhecidos.

Sei que a casa de uma amiga no centro da cidade onde fizemos tantas festas e jantares tem agora vista e saída directa para um mar de lama; que o Teatro Municipal, que acolhia também um dos bares mais interessantes da noite madeirense, foi totalmente inundado e que o sítio onde a minha mãe trabalhou durante anos está inacessível até as águas baixarem.

A nossa casa é numa encosta, num bairro com vivendas cravadas nos rochedos. O acesso a essa zona faz-se subindo a rua 31 de Janeiro e descendo a 5 de Outubro. No meio de ambas, uma ribeira. Se traçarmos uma linha recta da varanda lá de casa para a rua 31 de Janeiro, perceberemos que o bocado de rua que lhe corresponderia ruiu e fez-se leito para a fúria da Ribeira de Santa Luzia. A padaria Marques, onde ia comprar pães de leite com o meu avô, já tinha fechado há muitos anos, mas, desta vez, nem o letreiro austero ficou para me lembrar deles a cada passagem.

 Os madeirenses (e, imagino, qualquer pessoa que tenha nascido e vivido numa ilha) têm uma relação peculiar com a natureza. Admiram-na, na sua grandiosidade, mas aprenderam a negociar com ela. Amam o mar e respeitam-nos, como a um severo decano, mas vêem nele, ao contrário da claustrofobia que os não locais descrevem, o início de um imensidão de possibilidades.

Nunca ninguém tinha visto nada assim naquela ilha. Nunca senti nas pessoas tanto medo da água que, naquela ilha, está por todo o lado. Não há nada tão estranho como vermos as memórias de uma vida inteira cobertas pelo limo e pela desolação.

 



publicado por Laura Abreu Cravo às 11:20
link do post | comentar | ver comentários (8) |

Sábado, 20 de Fevereiro de 2010
Saudades de casa

Esta casa andou votada ao abandono. Há um mundo do direito que nos absorve e sufoca (e, ao mesmo tempo, nos prova, a cada dia, que não poderíamos ser uma coisa diferente) e há a vida, essa amálgama de coisas boas e más e assim-assim. Adicionalmente, dá-se o caso de esta signatária ser umas das 15 pessoas em todo o mundo que teve problemas técnicos com um Macintosh. E comprar um PC é uma coisa muito difícil. Primeiro, porque, na sua larga maioria, são esteticamente ofensivos; segundo, porque a relação com os especialistas padece de deficiências prévias insanáveis que impossibilitam qualquer troca de mensagem frutífera.

Senão vejamos:
Pessoa que tenta comprar o computador: — Olá, boa tarde. Eu precisava de comprar um PC que seja adequado para alguém que trabalha sobretudo com office, i-tunes, internet e afins.
Senhor da Fnac/ Vobis/ Worten: — Com certeza, termos aqui estes muito bons que (blá-blá-blá-bites e bites), com processador blá-blá e placa gráfica blá-blá-blá e memória ram yada-yada (isto dura cerca de 4 minutos)…
Pessoa que tenta comprar o computador: — tudo isso me parece óptimo, mas não tem nada que tenha todas essas características e seja … err… bonito?
Senhor da Fnac/ Vobis/ Worten: *rosna* (e quase juro que consegui ouvir um “gajas” entre dentes).
Felizmente, há oferta para tudo desde que se esteja disposto a pagar e, na terça-feira passada, adoptámos um Vaio. Isto para vos dizer, leitores, que, em podendo, voltarei a ser frequentadora assídua do meu próprio blogue.


publicado por Laura Abreu Cravo às 09:49
link do post | comentar |

Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2010
Na dúvida, é seguir o Nietzsche, filho



publicado por Laura Abreu Cravo às 17:19
link do post | comentar |

Só para se pouparem ao ridículo

Se não se não está disposto a pagar o preço de ser mártir, convinha não sair à rua trajando, com soberba e algazarra, um colete de explosivos.



publicado por Laura Abreu Cravo às 17:14
link do post | comentar |

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds