Quarta-feira, 18 de Abril de 2007
Windowshopper emocional
Olhava as relações como quem vê objectos por detrás de uma montra. Como se não fizesse parte delas, vendo-as de fora, gravitando por cima, silenciosa e laconicamente. Saía disposta a fazer gastos, entusiasmada com as novidades, as novas colecções, as modas da estação. Via, primeiro de longe, e depois de mais perto, já inclinada como quem espreita através do vidro, chegava a convencer-se de que esta ou aquela peça tinham sido talhadas para si, como fatos de alfaiate. Decidia-se e, num impulso consumista, arriscava tudo e abria a porta. Experimentava. A cor era perfeita, no manequim os contornos ficavam irrepreensivelmente marcados. Por não ser capaz de comprar sem experimentar, pedia o seu tamanho (o mesmo há anos salvo pequeninas oscilações) e dirigia-se ao provador. Antecipava os sacrifícios que teria de fazer pelo inesperado capricho, as contas complicadas para suportar aquele gasto tão fora dos planos. Mergulhava naquele mar de tecido, emergia e olhava-se ao espelho. Como de todas as outras vezes: grande demais, pequeno demais, justo demais, largo demais, com muita cor, sem cor nenhuma, demasiado áspero o tecido, demasiado dengoso o toque, comprido demais, excessivamente curto, desconfortável, insuficientemente formal. Saía, invariavelmente, de mãos vazias para percorrer uma enorme avenida de sensibilidades e regressar a casa como de costume: sem nada de novo. Percebeu que, nas emoções, como nas vestes, não valia a pena investir senão na alta costura, na qualidade dos materiais, no corte feito rente ao corpo por mãos experimentadas e capazes. Tornou-se, a partir desse momento, uma windowshopper emocional. Tudo porque nunca ninguém lhe ensinou como comprar nos saldos.


publicado por Laura Abreu Cravo às 16:03
link do post | comentar |

Comentários:
De Luna a 26 de Abril de 2007 às 03:51
Acho que no geral eu queria ser assim. Ponto. ;)


De LAC a 19 de Abril de 2007 às 17:24
Luna, e os óculos escuros?
Tiago, já tinha dado por isso quando passei pelos Incontinentes. Seja bem-vindo ao Mel.


De Tiago Machado da Graça a 19 de Abril de 2007 às 16:25
O mel levou-me de volta a "Breakfast at Tiffany's" e "North by Northwest". Como consequência ficaram os incontinentes cheios de fotografias


De Luna a 19 de Abril de 2007 às 00:28
Quando for grande quero um vestido assim.


De Ithaki a 18 de Abril de 2007 às 17:05
:-)


Comentar post

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds