Quinta-feira, 4 de Outubro de 2007
Direitos do autor
Acordo. Arrasto-me para o bule de chá preto a ferver. Sento-me à secretária e ligo o MAC que, preguiçoso como eu, se espreguiça ante os primeiros raios do sol que o arrastar pesado dos cortinados deixa espreitar. Abro a página do blogue e sigo para a moderação de comentários. Entre os rotineiros convivas, algumas visitas da casa, visitantes acidentais e de ocasião e bloggers que chegaram através de outros blogues. Piadas privadas, simpáticos elogios ou observações cordatas e factuais. Assim era o acordar deste blogue. Depois, com os leitores, além dos amigos ou dos cúmplices desconhecidos, chegaram os insultos. Todos os dias, aqui, ali e além.
Algumas pessoas garantem-me que, pelo facto de ter escarrapachado os meus escritos num blogue, assumi e aceitei o risco de ser insultada, e, adicionalmente, assenti num direito da contraparte a esperar a minha resposta. Ah, a tão considerada “polémica”. Com as caixas de comentários ou os próprios blogues por veículo a turba insulta-se, desconsidera-se, esgrime imbecilidades e relê, embevecida, os textos que reflectem a sua própria bílis.
É claro que respondo a provocações. Quando acho graça, quando o interlocutor é inteligente e elegante, quando o assunto me é particularmente caro. No caso do insulto nem apetece. Como é que se elabora sobre o insulto (quando, na maioria das vezes traz roupagens toscas e literais, sem ponta de graça)?
Que me desculpem os estudiosos da antropologia bloguística que defendem o direito do leitor decorrente da alienação gerada pela publicação do post. Que se lixem. No meu blogue escrevo e respondo na exacta medida do que me apetece. O único direito do leitor é não ler, não entrar, não clicar no link, pendurar alho e crucifixos no seu próprio monitor, atirar fruta podre ao meu template. Mas sem lições de moral (que maçam), sem fúrias evangelizadoras (que adormecem), sem tolices adolescentes (que enfastiam). O insulto, bem feito, não é uma selvajaria de boca cheia, é um intrincado de subtilezas, um rendilhar de ironias, um sussurrar sibilino mas gélido ao ouvido.
Um amigo diz sempre que temos de aprender a escrever “sem qualquer respeito pelo leitor”. E eu respeito isso.


publicado por Laura Abreu Cravo às 11:47
link do post | comentar |

Comentários:
De SLS a 4 de Outubro de 2007 às 13:15
"Algumas pessoas garantem-me que, pelo facto de ter escarrapachado os meus escritos num blogue, assumi e aceitei o risco de ser insultada, e, adicionalmente, assenti num direito da contraparte a esperar a minha resposta."

Confesso que foi através deste blog me tornei
frequentador da comunidade blogistica .

Como "cliente", sendo egoísta , apenas posso pedir que esqueça os insultos e afins e continue a escrever.

Permito-me ainda recomendar que, em nenhuma
situação, responda a insultos e que seja muito
selectiva no feedback a provocações. Era só o que
faltava ter que dar corda a má educação por questões
de etiqueta de blogs (acho ridícula a perspectiva
que o mundo dos blogs possa ter "uma etiqueta"
própria; quem escreve num blog tem tanta obrigação
de dar feedback - ou seja, nenhuma - como um escritor, um jornalista, um apresentador de TV, um
actor,... ; o meio por onde a mensagem é veiculada é
irrelevante)

Vejo o seu blog como uma forma de ver a realidade
com outros olhos. É por isso uma forma de escape e de crescimento pessoal.

Devem existir mais como eu, por isso,
não se desmotive!


De Manuel Martinho a 5 de Outubro de 2007 às 00:06
Olá. Como é que se põe um bule de chá preto a ferver antes de acordar?


De paulasofialuz@sapo.pt a 10 de Outubro de 2007 às 02:13
Laura, tenho um amigo que me escreveu um dia uma frase que aqui lhe entrego: não adianta apregoar a dignidade da lã, a quem vive para ser tosquiado. bj


Comentar post

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds