Sexta-feira, 19 de Setembro de 2008
Interno Feminino

Abro jornais e revistas e vejo entrevistas a mulheres que desempenham um sem número de actividades. E sobre o que incidem estas entrevistas? O mais incauto responderia imediatamente que as mesmas incidiriam sobre um qualquer feito extraordinário, uma descoberta inovadora, um projecto que tenha mudado o país ou mesmo o comum desempenho de uma especial actividade. Desengane-se, caro leitor; ainda que a relevância técnico-dogmática da coisa possa ser levemente abordada, à segunda linha percebemos que a entrevista vai focar-se na e sobre a "condição feminina (revirar de olhos)". Como se consegue ser [preencher com profissão relevante] sendo mulher e como é que a criatura é recebida, compreendida e acarinhada pelos seus colegas do sexo oposto. Mais: se a criatura não for um estafermo, surge a inevitável e digníssima interrogação sobre a compatibilidade entre o reconhecimento profissional e a beleza. Nestas alturas, já um pouco mareada, pergunto aos meus botões porque é que os jornalistas continuam a fazer aquela pergunta idiota e percebo que só há uma resposta possível: há mulheres que gostam.

Vejamos: se, de cada vez que um simpático inquisidor perguntasse a uma senhora “então como é que consegue ser levada a sério pelos seus colegas homens sendo você uma mulher, e, mais ainda, bonita?” a entrevistada, em vez de fazer boquinhas -- enquanto, falsamente, se declara envergonhada -- ou balbuciar qualquer coisa absolutamente inaudível e sem ponta de credibilidade ou veemência sobre a inutilidade da pergunta, o mandasse (a ele e à sua pergunta idiota) para o digníssimo raio que o parta, mais dia menos dia, a pergunta saía de circulação. 
Lamento. As mulheres capazes, inteligentes e muito bonitas não me entusiasmam. Apenas porque, felizmente, conheço muitas. E todas elas se sentiriam absolutamente insultadas com o paternalismo acéfalo do tema.
Quando descobrirem uma tetraplégica que pinte com a boca para sustentar sete filhos, ou uma que seja capaz de arrastar camiões com os dentes, aí sim, podem falar-me de capacidades extraordinárias e invulgares para a condição feminina. Até lá, andamos, pura e simplesmente a lutar pela vidinha. Nós mulheres, os homens e todas as outras criaturas do Senhor. Apre.
 


publicado por Laura Abreu Cravo às 19:09
link do post | comentar |

Comentários:
De Maria Ameixa a 21 de Setembro de 2008 às 21:13
Assim de repente, e mesmo simpatizando com ela, este post remeteu-me para a Teggy...


De maria eduarda de lemos godinho a 22 de Setembro de 2008 às 09:58
acho que esses tais jornalistas são homens....é a única explicação!


Comentar post

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds