Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008
Wolf like me

 

É claro que nunca conhecemos realmente um homem (ou mulher) apaixonado. Primeiro, porque aquilo que nos é dado a conhecer é a criatura (e matéria) filtrada pelo objectivo fixo da conquista; segundo, porque o estado semi-febril do enamoramento (do próprio ainda que não correspondido) se encarrega de esconder o que o objectivo de conquista não pré-determinou. Se as duas pessoas se apaixonam simultaneamente, estes efeitos anulam-se; se calha uma delas estar a assobiar para o ar enquanto a outra verte sonetos, convém estar preparado. Antes de mais porque a rejeição tem ligação directa para o ego ferido (o que leva a que certas almas se sintam legitimadas a debitar enormidades e agir como animais) e depois porque, passado o fervor inicial da paixão enfatuada, o objecto torna-se um alvo apetecível para uma espécie de descarrego emocional de dignidade reduzida.
Ao contrário de outros pedaços da Criação, não reconheço grande utilidade (sequer de compensação hormonal e auto-estima) à dimensão do séquito de não correspondidos que se traga arrastado vida fora — em matéria de tara coleccionadora tendo a preferir sapatos; Contudo não deixa de me espantar o que alguns estão dispostos a fazer para se manter no panteão.
O amor não correspondido é coisa injusta, mas a traição e exposição gratuita do outro (a quem se proclamou infundadamente a fidelidade eterna) tem tanto de inevitável como de patético. O que vale é que, mais tarde ou mais cedo, até o cordeiro mais pequeno e manso despe o manto para se fazer lobo.


publicado por Laura Abreu Cravo às 18:44
link do post | comentar |

Comentários:
De maria eduarda lemos godinho a 24 de Outubro de 2008 às 12:10
Laura,

Já não se usa isso da fidelidade eterna...com as pessoas a durarem anos e anos e anos.... acabamos por ser todos lobinhos em potência.

É muito melhor ter amor sem grandes trabalhos, mas o amor não correspondido não é necessariamente mau, injusto..... acho, antes, que o estado febril de descontente e contente que causa já é razão suficiente para que possa ser encarado com utilidade.


Comentar post

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds