Quinta-feira, 14 de Maio de 2009
Até ao fim

Quando me informam que alguém de quem nunca gostei tem uma doença grave (ou mesmo terminal), não sou invadida por qualquer espécie residual de alegria, mas também não sou capaz de mudar aquilo que sentia por essa pessoa antes de receber a dita informação. Os nossos inimigos e animosidades devem ser tratados com a lealdade que se exige na guerra. A pena deveria (como a tortura) estar proibida pela convenção de Genebra. Na adversidade (mesmo que só dele), odiar o outro como em todos os dias até ali; deixar a compaixão para os que sempre gostaram dele, e ser, assim, até ao último momento, fiel ao conflito que ambos promoveram.



publicado por Laura Abreu Cravo às 14:22
link do post | comentar |

Comentários:
De Anónimo a 15 de Maio de 2009 às 16:08
O ódio não deve ser sentido por pessoas inteligentes; com ou sem doenças, com ou sem compaixões... O ódio começa quando também nós começamos a "quebrar". Este comentário tem a ver com a forma como se encara a vida, o mundo onde vivemos e confesso, a ideia de que podemos aspirar a ser sempre melhor, subindo em roda até aos céus (a relembrar o livro dos amores risiveis...).


De Diogo a 20 de Maio de 2009 às 17:27
E se em vez de uma doeça for uma pandemia?

Jon Stewart – A gripe suína e a pandemia do medo

CNN: Notícia de última hora. Há uma nova estirpe altamente contagiosa da gripe e, neste momento, o número de mortos está a aumentar. Vamos a caminho de uma pandemia?

Jon Stewart: Me… para isto! Uma pandemia? A sério? Uma pandemia também. [Jon vira-se para Deus] É obra Sua? Uma pandemia? Não acha que já é demais? Elegemos Obama, o muçulmano cristão. Que mais quer Ele de nós? Agora, devia tirar o pé do acelerador! Mas há cerca de duas horas que não vejo as notícias, portanto, vamos ver em que ponto estamos.

CNN: A gripe suína pode matar dezenas de milhões de pessoas, se não for travada.

Jon Stewart: É a me… mais assustadora que ouvi em toda a semana. Conseguiram. Estou em pânico. Mais alguma coisa que queiram acrescentar?

Flashes noticiosos: Não quero entrar em pânico… Não queremos causar pânico… Não queremos causar o pânico com esta notícia, mas é uma notícia importante.

Jon Stewart: Nem sequer vêem as vossas próprias estações de televisão? Vocês são a única razão para estarmos em pânico! Já que vamos morrer todos, acho que é justo perguntar: O que é a gripe suína?

Especialista: Tem componentes genéticos de uma série de fontes, incluindo humanas, suínas e aviarias.

Jon Stewart: É uma mistura de fontes humanas, suínas e aviarias. Só há duas formas de isso acontecer: uma mutação genética que atravessa as três espécies ou um idiota que f… uma sanduíche de peru e bacon.

Vídeo legendado em português
(http://citadino.blogspot.com/)


De José Costa a 20 de Maio de 2009 às 19:05
Cem por cento de acordo. Sempre senti isso em relação às pessoas que não gosto e que eventualmente vêm a falecer. E sempre senti que grande parte das pessoas pensam que um pulha após a sua morte passa a ser uma pessoa sensacional.
Nunca entendi porquê.
Pelo menos nisto, a Laura é 'uma das minhas'.

Com toda a consideração, que é devida a uma jovem bastante inteligente, interventiva e muito bonita,

José Costa


De cr a 22 de Maio de 2009 às 12:30
Pois é, tem toda a razão, é no entanto dificil entender porque quando as pessoas quando morrem ascendem (para alguns) a essa estratosfera onde só reina o bem.
Provavelmente por se achar que a morte como mal maior, é a maior pena que qualquer pessoa possa cumprir e por isso, possa automaticamente "lavar" a alma de qualquer um.
Depois só a simples visão de ver o tipo que foi tão mau durante a vida de alcoólico, que batia na própria mãe, ali tão ajeitadinho, de fatinho bem engomado e com um ar tão cândido, quem tem coragem de o achar um estafermo?
Certa vez confrontei-me com uma situação dessa, um tio que fez uma passagem terrivel pela terra, com enormes prejuízos para a própria mulher e filhos, um dia lá se foi, e eu lá fiquei dividida, com uma enorme angústia.
Que fazer, ir ao funeral ou não? deveria apoiar a minha tia e primos nessa hora? pensei eu.
Bom decidi não ir, a prol da minha coerência, seria muito falso ir. Mas hoje e já passaram anos, ainda penso nisso, será que não ter dado (nesse dia) o apoio (indo ao funeral)á minha tia e primos, foi o mais certo?
Enfim dúvidas, e mais dúvidas...escusado será dizer que esse meu tio, com o passar dos anos depois da sua morte se tornou numa espécie de " anjo", quando a minha tia fala dele, lembra-o como a melhor pessoa do mundo. Que estranho,não?


De samartaime a 25 de Maio de 2009 às 12:07
Se me permite, eu farei apenas uma pequena alteração a um seu parágrafo:

«A pena deveria (como a tortura E A DOR) estar proibida pela convenção de Genebra.»

Sei que a dor está implicita na tortura, como sei que a dor é tortura. Mas mesmo assim separo a dor - que ela é, não raro, irreparavel alteração da integridade intelectual de quem, amigo ou inimigo, respeitávamos como tal.


Comentar post

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds