Quarta-feira, 1 de Julho de 2009

Um dos dramas da afeição é trazer o medo com ela. Quando gostamos de alguém, tememos uma infinidade de coisas: que não goste de nós; que goste menos de nós do que nós gostamos desse alguém; que, gostando de nós agora, deixe de gostar um dia; que adoeça, morra, padeça de males que não queremos nossos. Se todos estes problemas escapam, em rigor, ao nosso controlo, há já outro que sempre me intrigou: a desilusão dos nossos bem-queridos. Imaginem que a maior qualidade de um dos objectos do vosso afecto é a ausência de maldade natural e que a escolha será entre mostra-lhe os caminhos do cinismo e (possivelmente) destruir aquilo que vos faz olhá-lo(a) com enlevo ou deixá-lo(a) correr livremente até que a vida se encarregue de causar o tropeção.

Se, à partida, me parece mais legítimo permitir aos outros a aprendizagem pelos seus próprios caminhos (tanto quanto me parece inútil alertar pessoas para perversidades que não acham possíveis ou sequer reais), não deixa de ser cruel (quase tão cruel como a desilusão em si mesma) que fiquemos comodamente sentados à espera dos cacos inevitáveis.



publicado por Laura Abreu Cravo às 12:17
link do post | comentar |

Comentários:
De Pedro Jordão a 1 de Julho de 2009 às 18:05
Estou convencidíssimo de que há um meio termo, um lugar onde podemos abrir os olhos a alguém sem destruir nada a não ser uma inocência fora de prazo. Mas provavelmente estou errado.


De Laura Abreu Cravo a 2 de Julho de 2009 às 17:38
O problema é que os meios termos (ou medidas certas) são a coisa mais difícil de atingir e /ou antecipar. é sempre na base tentativa erro. E, às vezes, não podemos dar-nos ao luxo de falhar.


De Pedro Jordão a 3 de Julho de 2009 às 02:24
É sempre na base tentativa erro. E é difícil. De acordo. Prever que caminho leva à maior falha é que pode ser ainda mais difícil. Vendo bem, o melhor é confiar-se na intuição do momento.

ps: O post acima é incomentável. É um elogio.


De Pedro Correia a 1 de Julho de 2009 às 23:11
Uma sugestão, Laura: os 'posts' ficam melhor com títulos. Gostei muito deste seu texto, ia citá-lo, mas sem título não dá jeito. Fica a sugestão deste leitor atento.


De Laura Abreu Cravo a 2 de Julho de 2009 às 17:40
Pedro,

Muito obrigada. Mas os posts que aparecem sem título são aqueles para os quais não consegui encontrar um título que não me parecesse excessivo ou desajustado. A bem da "verdade literária" (por oposição à desportiva) vamos deixar sem títulos quando o único que me ocorrer for pateta. aceito sugestões por mail, mesmo já com os post escritos. :)


De Pedro Correia a 13 de Julho de 2009 às 00:28
OK então.


De José António Abreu a 2 de Julho de 2009 às 09:24
Creio que poucas pessoas se importam com alertas. Se já se sabe que bater com a cabeça numa parede dói, por que não avisar quem se ama para que tenha cuidado? Difícil é por vezes "encaixar" que o outro opte, ainda assim, por fazê-lo e estar disponível (talvez sentado, comodamente quase certamente que não) para ajudá-lo a recolher "os cacos". De qualquer modo, o "medo" é essencial. É um medo benigno, que nos faz sentir vivos.


Comentar post

Laura Abreu Cravo
Em@il
Na Jukebox Mental

Pesquisar
 
Outros Venenos
31 da Armada
Revista Atlântico
Últimas Entradas

O Mel Com Cicuta acabou

Dos princípios vergados a...

Da falta de saídas profis...

O rei da selva

Vamos lá falar de coisas

O primeiro dia do nosso V...

A Corte

...

Por Deus, façam cerimónia...

Vai haver muita foto nest...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

blogs SAPO
Subscrever feeds