Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mel Com Cicuta

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room. William Hazlitt

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room. William Hazlitt

Mel Com Cicuta

23
Set05

Santa Fátima (ou Santa Paciência)...

Laura Abreu Cravo
Durante o habitual zapping nocturno vislumbrei Fátima Felgueiras num debate televisivo esgrimindo pela sua honra.
Prisão preventiva, nem vê-la!... Aparentemente, depois de dois anos no calçadão a senhora fartou-se de àgua de côco e portanto não há perigo de fuga...
Não somos um país de brandos costumes, somos é o país do bando do costume...!
23
Set05

...

Laura Abreu Cravo

Passeando pelas ruas de Amesterdão, observando pais que levavam, nas bicicletas, crianças sorridentes, repensei a minha posição aobre a maternidade.

Deambulando pela minha rua, a caminho do escritório, pela manhã, a minha posição sobre a maternidade voltou ao patamar pré-Amesterdão.


As crianças portuguesas guincham...e quase que nem era dia ainda...

Credo... alguém me dá um antídoto para o efeito que a vida tem sobre nós?
21
Set05

...

Laura Abreu Cravo
Passei tempos infindos a lutar para me manter à tona, tentando evitar que me deixasses afundar, aprendendo a respirar e sobreviver de pequenos fôlegos.
Agora, que contemplo, sem esforço, a superfície, e nada me atrai para o fundo, tenho medo de já não saber respirar... Não vá o ar que nunca experimentei sem aflição fazer-me mal...
É este o bem que me fazes... Aprender a sobreviver em condições extremas e tornar-me perfeitamente incapaz de viver a normalidade dos seres.
20
Set05

Humanidades

Laura Abreu Cravo
Vivemos anos a acreditar em verdades que só nós conhecemos, tendo-as por incontornáveis, ainda que não as querendo.
Assim foi comigo até perceber que a normalidade nos afectos não passa nunca por interpretá-los para conseguirmos vivê-los. Quando têm de ser moldados, aconchegados, espremidos ou esticados é porque não existem na medida em que deviam, e não podem nem devem ser vividos.
Viver afectos que não são criados para nós é como calçar sapatos um tamanho abaixo: podem ser lindos, dar pouco trabalho, causar inveja em quem passa, mas ao fim de algum tempo tornam-se tão incómodos que só nos queremos livrar deles em troca de um par de confortáveis pantufas emocionais.
Devia haver alfaiates de afectos, que os fizessem á medida...

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Laura Abreu Cravo

Em@il

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2005
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D