Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mel Com Cicuta

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room. William Hazlitt

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room. William Hazlitt

Mel Com Cicuta

19
Set08

Interno Feminino

Laura Abreu Cravo

Abro jornais e revistas e vejo entrevistas a mulheres que desempenham um sem número de actividades. E sobre o que incidem estas entrevistas? O mais incauto responderia imediatamente que as mesmas incidiriam sobre um qualquer feito extraordinário, uma descoberta inovadora, um projecto que tenha mudado o país ou mesmo o comum desempenho de uma especial actividade. Desengane-se, caro leitor; ainda que a relevância técnico-dogmática da coisa possa ser levemente abordada, à segunda linha percebemos que a entrevista vai focar-se na e sobre a "condição feminina (revirar de olhos)". Como se consegue ser [preencher com profissão relevante] sendo mulher e como é que a criatura é recebida, compreendida e acarinhada pelos seus colegas do sexo oposto. Mais: se a criatura não for um estafermo, surge a inevitável e digníssima interrogação sobre a compatibilidade entre o reconhecimento profissional e a beleza. Nestas alturas, já um pouco mareada, pergunto aos meus botões porque é que os jornalistas continuam a fazer aquela pergunta idiota e percebo que só há uma resposta possível: há mulheres que gostam.

Vejamos: se, de cada vez que um simpático inquisidor perguntasse a uma senhora “então como é que consegue ser levada a sério pelos seus colegas homens sendo você uma mulher, e, mais ainda, bonita?” a entrevistada, em vez de fazer boquinhas -- enquanto, falsamente, se declara envergonhada -- ou balbuciar qualquer coisa absolutamente inaudível e sem ponta de credibilidade ou veemência sobre a inutilidade da pergunta, o mandasse (a ele e à sua pergunta idiota) para o digníssimo raio que o parta, mais dia menos dia, a pergunta saía de circulação. 
Lamento. As mulheres capazes, inteligentes e muito bonitas não me entusiasmam. Apenas porque, felizmente, conheço muitas. E todas elas se sentiriam absolutamente insultadas com o paternalismo acéfalo do tema.
Quando descobrirem uma tetraplégica que pinte com a boca para sustentar sete filhos, ou uma que seja capaz de arrastar camiões com os dentes, aí sim, podem falar-me de capacidades extraordinárias e invulgares para a condição feminina. Até lá, andamos, pura e simplesmente a lutar pela vidinha. Nós mulheres, os homens e todas as outras criaturas do Senhor. Apre.
 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Laura Abreu Cravo

Em@il

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2005
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D